Buscar

Como o Bahia se tornou o clube de futebol mais progressista do Brasil



O

Bahia reduziu os preços, deu voz aos fãs, abordou questões políticas e se dedicou ao 'carinho, integração e amor'

Se os jogadores da Bahia entraram no campo para o jogo da Série A contra o Ceará no mês passado, houve algo marcante em suas camisas. Suas elegantes listras azuis, vermelhas e brancas estavam cobertas por manchas pretas ao redor do pescoço, debaixo dos braços e na bainha. Não haviam derramado acidentalmente um pote de tinta na mochila. A Bahia estava fazendo uma declaração.

Nos últimos 52 dias, centenas de toneladas de petróleo bruto foram lavadas nas praias do nordeste do Brasil. Ninguém sabia de onde vinha o petróleo e a resposta do governo foi lamentavelmente inadequada. "Vimos a notícia sendo divulgada", diz o presidente da Bahia, Guilherme Bellintani . "Mas foi tímido em relação à escala do desastre." Então o clube decidiu falar.

A intervenção da Bahia sobre o assunto não surpreendeu os fãs de futebol no Brasil. Nos últimos dois anos, o clube desenvolveu uma reputação como o clube mais democrático e socialmente envolvido no país, realizando campanhas sobre questões como racismo, direitos LGBTQ, demarcação de terras indígenas e tratamento de torcedores em estádios de futebol. Ao mesmo tempo, eles conseguiram reduzir os preços dos ingressos, aumentar as receitas, pagar parte da dívida que estava prejudicando o clube e melhorar seus resultados em campo.

O técnico da Bahia, Roger Machado, é um dos únicos dois treinadores negros na primeira divisão brasileira. Ele ganhou as manchetes no mês passado, quando fez um discurso poderoso em uma entrevista coletiva pós-partida, condenando o racismo estrutural na sociedade brasileira. Quando perguntado sobre o envolvimento social do clube, ele diz: “Acordei com um sentimento tão grande de pertencer a Salvador. A Bahia [o estado] e a Bahia [o clube] me capacitaram, me deram a coragem de fazer essa declaração [contra o racismo]. Ser inserido nesse contexto realmente me ajudou a responder à questão dessa maneira. Se, no final do livro da minha vida, estiver escrito: 'Esse indivíduo ajudou a construir o esporte, mas, acima de tudo, ajudou a usar o esporte como uma ferramenta de transformação', poderei morrer em paz. ”


Fonte: https://www.theguardian.com/football/2019/nov/13/bahia-progressive-football-club-brazil-prices-fans-political-issues-love

7 visualizações0 comentário