Buscar

Torcidas LGBTs de Bahia e Vitória propõem medidas para coibir homofobia nos estádios


As recém-fundadas torcidas organizadas ligadas ao movimento LGBT dos dois principais clubes de Salvador, LGBTricolor e Torcida Orgulho Rubro-Negro, em conjunto com a União Nacional LGBT Bahia e o Coletivo Mães do Arco-Íris, apresentaram no início desta semana um conjunto de propostas para coibir e auxiliar na condução de casos de LGBTfobia durante os jogos do Campeonato Baiano e demais jogos realizados na Bahia.

As propostas foram protocoladas pelo representante da LGBTricolor Onã Rudá junto à Federação Baiana de Futebol, ao Tribunal de Justiça Desportiva de Futebol da Bahia e ao Ministério Público do Estado da Bahia na segunda-feira (13).


Foto: Divulgação/EC Bahia

As recém-fundadas torcidas organizadas ligadas ao movimento LGBT dos dois principais clubes de Salvador, LGBTricolor e Torcida Orgulho Rubro-Negro, em conjunto com a União Nacional LGBT Bahia e o Coletivo Mães do Arco-Íris, apresentaram no início desta semana um conjunto de propostas para coibir e auxiliar na condução de casos de LGBTfobia durante os jogos do Campeonato Baiano e demais jogos realizados na Bahia. As propostas foram protocoladas pelo representante da LGBTricolor Onã Rudá junto à Federação Baiana de Futebol, ao Tribunal de Justiça Desportiva de Futebol da Bahia e ao Ministério Público do Estado da Bahia na segunda-feira (13). O documento também foi encaminhado à Superintendência dos Desportos do Estado da Bahia, à Arena Fonte Nova, à Defensoria Pública da Bahia, à OAB e aos clubes da primeira divisão do Campeonato Baiano. De acordo com o comunicado emitido à imprensa, “a iniciativa visa combater práticas de violência e expressões preconceituosas contra a comunidade LGBT durante os jogos, em especial do campeonato baiano”.

A recente fundação das torcidas LGBTricolor e Orgulho Rubro-Negro explicitou a dimensão da LGBTfobia no meio futebolístico, com organizadores dos grupos sendo alvo de ameaças – as ofensas homofóbicas expôs as barreiras que ainda devem ser transpostas para que as arquibancadas sejam, de fato, um território livre de preconceito e intolerância.

Para Onã Rudá, o estranhamento de algumas pessoas e o debate que surge com o aparecimento de núcleos de combate à homofobia nos estádios pode ser considerado natural em um ambiente francamente machista e homofóbico como os estádios de futebol.

“O que não é normal”, pontua o estudante de jornalismo, “são as ameaças, a tentativa de mapear as pessoas e as intimidações de uma minoria raivosa e preconceituosa”.

“Não estamos fazendo nada errado ao querer vivenciar a vida do clube. Chegamos pra somar e ajudar a fortalecer o time, não podem nos tirar esse direito legítimo por puro ódio, o amor que cultivamos é mais forte”, diz Rudá.

A criação da LGBTricolor contou com o apoio do Bahia – o clube possui um Núcleo de Ações Afirmativas e em setembro de 2019 realizou ações contra a homofobia.

Em fevereiro a torcida lançará a primeira camisa LGBT que contará com licenciamento oficial de um clube de futebol brasileiro.A recente fundação das torcidas LGBTricolor e Orgulho Rubro-Negro explicitou a dimensão da LGBTfobia no meio futebolístico, com organizadores dos grupos sendo alvo de ameaças – as ofensas homofóbicas expôs as barreiras que ainda devem ser transpostas para que as arquibancadas sejam, de fato, um território livre de preconceito e intolerância.


Fonte: https://bahia.ba/esporte/torcidas-lgbts-de-bahia-e-vitoria-propoem-medidas-para-coibir-homofobia-nos-estadios/

0 visualização0 comentário